7 . PLANO DE CONTAS


7.1 Conceitos e Utilidades
7.2 Estrutura Básica do Plano de Contas Simplificado
7.3 Estrutura Básica das Demonstrações Contábeis
    7.3.1 Balanço Patrimonial
    7.3.2 Demonstração do Resultado do Exercício
7.4 Plano de Contas Simplificado para Empresas com Atividades Mistas
    7.4.1 Elenco de Contas
7.5 Função e Funcionamento das Principais Contas





7.1 Conceitos e Utilidades


O Plano de Contas é uma matriz operativa em que são fixadas as regras que devem ser cumpridas durante o processo de escrituração contábil, proporcionando perfeita harmonia entre as características gerais da empresa e o produto esperado pelos usuários das informações contábeis, assegurando assim padronização de procedimentos e racionalização na execução dos serviços, conforme se depreende pela fundamentação conceitual apresentada a seguir.

Plano de Contas é a estrutura básica da escrituração contábil, pois é com sua utilização que se estabelece o banco de dados com informações para geração de todos os relatórios e livros contábeis, tais como: Diário, Razão, Balancete, Balanço Patrimonial, Demonstração de Resultados e Análises, além de outros. (CFC, 2002:31).

Plano de Contas é uma peça na técnica contábil que estabelece previamente a conduta a ser adotada na escrituração, através da exposição das contas em seus títulos, funções, funcionamento, grupamentos, análises, derivações, dilatações e reduções. (Sá, 2004:22).

Plano de Contas é um conjunto de determinadas contas em função do ramo de atividade e porte de cada empresa. Nele são apresentadas as contas, títulos e descrição de cada uma, bem como os regulamentos e convenções que regem o uso do plano e de suas contas integrantes do sistema contábil da entidade, tendo como finalidade servir de guia para o registro e a demonstração dos fatos contábeis. (Crepaldi, 2003:70).

Ao preparar um projeto para desenvolver um Plano de Contas, a empresa deve ter em mente as várias possibilidades de relatórios gerenciais e para uso externo e, dessa maneira, prever as contas de acordo com os diversos relatórios a serem produzidos. (FIPECAFI, 2007:19), e, concluindo, afirma: Se anteriormente isso era de grande importância, atualmente, com os recursos tecnológicos da informática, passou a ser essencial, pois tais relatórios propiciarão tomados de decisões mais ágeis e eficazes por parte dos usuários.

Com base no acima compilado, pode-se resumir que um Plano de Contas deve possuir as seguintes características e orientações:

I. é uma matriz destinada a orientar a execução de serviços contábeis visando à padronização de procedimentos e à racionalização de tarefas;
II. estabelece previamente a conduta a ser adotada na escrituração;
III. relaciona as contas em que são registrados os fatos contábeis pertinentes às atividades de cada empresa, contendo, além dos títulos, as respectivas funções e as regras de funcionamento;
IV. deve ser estruturado agrupando as contas para que se possam realizar análises setoriais e ser flexível para permitir dilatações e reduções sem prejuízo do conjunto;
V. deve considerar que é a base para a construção de banco de dados que alimenta relatórios gerenciais e para uso externo.

A definição da Função e do Funcionamento das rubricas do Elenco de Contas é importante para que se possa padronizar a classificação dos fatos contábeis e os relatórios que resultarem da escrituração, assegurando tratamento uniforme, independentemente do profissional que esteja executando os trabalhos. (CFC, 2002:40).


A sugestão de Modelo de Plano de Contas apresentada neste livro, apesar de conservar as características de “simplificação” preconizadas no Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte, foi elaborada com base na legislação societária prevista nas Leis nº 6.404/76 e 11.638/07, e visa tão-somente apresentar uma base para orientar a elaboração do Plano de cada empresa, respeitando suas características e especificidades.

O modelo proposto aplica-se a empresas que exercem atividades mistas – comércio, indústria e serviços – realizadas conjuntamente. Caso não sejam realizadas as três atividades, existem duas opções a seguir pela empresa. Primeira: utilização do modelo completo excluindo as contas que não são utilizadas, mantendo as demais e conservando a codificação geral para facilitar o uso, principalmente para organizações contábeis que trabalham para empresas de vários ramos. Segunda: construção de Planos de Contas específicos para cada ramo de atividade, partindo do modelo geral e refazendo a codificação para conciliar as peculiaridades inerentes a cada um.

Escolhida a segunda opção, alguns ajustes importantes devem ser considerados, como, por exemplo: as empresas comerciais não necessitam dos grupos 3 – CUSTOS e 4 – PRODUÇÃO. Nesse caso, as Despesas e as Receitas ocupariam o espaço aberto com a eliminação daquelas contas, e as contas de Apuração receberiam a codificação iniciada com o algarismo 5.

A Organização Contábil que possua clientes enquadrados nos diversos ramos de atividade pode adotar a estrutura do Modelo completo para todas as empresas, excluindo as contas que não são utilizadas, porém mantendo a codificação básica para facilitar a utilização dos Planos, pois uma conta com a mesma nomenclatura tem o mesmo código em todas as empresas.

Atende também a utilização de Plano de Eventos, caso seja adotado. A finalidade do Plano de Eventos é a gravação dos vários elementos comuns nas “partidas” que se repetem e formam eventos contábeis. Por exemplo: cada compra a prazo constitui uma transação ou fato contábil; o conjunto das compras a prazo constitui o evento contábil compras a prazo. Sua contabilização será:

Data: dd/mm/aaaa
Conta e subconta devedoras: ESTOQUE/Compras
Conta e subconta credoras: FORNECEDORES/Fornecedor A
Histórico: Compra conforme NF XXXX
Valor: R$ 1.111,11

Os elementos variáveis desse evento são apenas: a data, o nome do fornecedor, o número do documento fiscal e o valor da operação. A utilização desse procedimento minimiza erros de classificação contábil e agiliza a escrituração, principalmente quando o volume de transações é numeroso e, principalmente, se a escrituração contábil é importada de outros aplicativos, tais como: compras, produção, fiscal, pessoal, etc.


7.2 Estrutura Básica do Plano de Contas Simplificado

DÉBITO CRÉDITO
ATIVO
CIRCULANTE
→ Disponível
→ Contas a Receber
→ Estoques
→ Outros Créditos
→ Despesas do Exercício Seguinte
REALIZÁVEL A LONGO PRAZO
→ Contas a Receber
→ Estoques
PERMANENTE
→ Investimentos
→ Imobilizado
→ Intangível
→ Diferido
→ (-) Depreciação Acumulada
→ (-) Amortização Acumulada
PASSIVO
CIRCULANTE
→ Obrigações Sociais e Fiscais
→ Contas a Pagar
→ Lucros a Distribuir
→ Empréstimos Bancários
→ Outras Contas a Pagar
EXIGÍVEL A LONGO PRAZO
→ Financiamentos Bancários
RESULTADOS DE EXERCÍCIOS FUTUROS
→ Receitas Diferidas
→ (-) Custos e Despesas Diferidas
PATRIMÔNIO LÍQUIDO
→ Capital Social
→ Reservas
→ Ajustes de Avaliação Patrimonial
→ (-) Ações em Tesouraria
→ Lucros ou Prejuízos Acumulados
CUSTOS
→ Insumos
→ Mão-de-Obra Direta
→ Outros Custos Diretos
→ Custos Indiretos de Produção
PRODUÇÃO
→ Industrial
→ De Serviços
DESPESAS
→ Custo das Vendas
→ Despesas com Pessoal
→ Despesas Administrativas
→ Despesas de Comercialização
→ Despesas Tributárias
→ Despesas Financeiras
→ Depreciação e Amortização
→ Perdas Diversas
→ Despesas Não Operacionais
RECEITAS
→ Receita Bruta de Vendas
→ (-) Deduções da Receita Bruta
→ Receitas Financeiras
→ Receitas Diversas
→ Receitas Não Operacionais
CONTAS DE APURAÇÃO DE RESULTADO
→ Balanço de Abertura
→ Balanço de Encerramento
→ Resultado do Exercício


7.3 Estrutura Básica das Demonstrações Contábeis

As empresas que realizam Escrituração Contábil Simplificada são obrigadas à elaboração do Balanço Patrimonial e da Demonstração do Resultado do Exercício, facultada a confecção das demais demonstrações previstas na legislação societária.

O Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira da entidade e deve ser elaborado em conformidade com a NBC T 3.2.

A Demonstração do Resultado é a demonstração contábil destinada a evidenciar a composição do resultado formado num determinado período de operações da entidade. Observado o princípio da competência, evidenciará a formação dos vários níveis de resultados mediante confronto entre as receitas e os correspondentes custos e despesas, devendo ser elaborada em conformidade com a NBC T 3.3.

7.3.1 Balanço Patrimonial

BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM DD.MM.AAAA
ATIVO
R$
CIRCULANTE

Disponível
Contas a Receber
Estoques
Outros Créditos
Despesas do Exercício Seguinte

REALIZÁVEL A LONGO PRAZO

Contas a Receber
Estoques

PERMANENTE

Investimentos
Imobilizado
Intangível
Diferido
(-) Depreciação e Amortização Acumuladas
XXX

XXX
XXX
XXX
XXX
XXX

XXX

XXX
XXX

XXX

XXX
XXX
XXX
XXX
XXX
TOTAL
XXX


BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM DD.MM.AAAA
PASSIVO
R$
CIRCULANTE

Obrigações Sociais e Impostos a Recolher
Contas a Pagar
Lucros a Distribuir
Empréstimos Bancários

EXIGÍVEL A LONGO PRAZO

Contas a Pagar
Financiamentos Bancários

RESULTADOS DE EXERCÍCIOS FUTUROS

Receitas Diferidas
(-) Custos e Despesas Diferidas

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Capital Social
Reservas de Capital
Ajustes de Avaliação Patrimonial
Reservas de Lucros
(-) Ações em Tesouraria
Lucros ou Prejuízos Acumulados
XXX

XXX
XXX
XXX
XXX

XXX

XXX
XXX

XXX

XXX
XXX

XXX

XXX
XXX
XXX
XXX
XXX
XXX
TOTAL
XXX


7.3.2 Demonstração do Resultado do Exercício

DESCRIÇÃO
R$
RECEITA BRUTA DE VENDAS

Vendas de Mercadorias
Vendas de Produtos
Vendas de Serviços
XXX

XXX
XXX
XXX

(-) DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA

Impostos
Devoluções
Abatimentos
XXX

XXX
XXX
XXX
RECEITA LÍQUIDA
XXX
(-) CUSTO DAS VENDAS

Custo das Mercadorias Vendidas
Custo dos Produtos Vendidos
Custo dos Serviços Prestados
XXX

XXX
XXX
XXX
LUCRO BRUTO
XXX
(-) DESPESAS OPERACIONAIS

Despesas com Pessoal
Despesas Administrativas
Despesas de Comercialização
Despesas Tributárias
Depreciação e Amortização
Perdas Diversas

(-) DESPESAS FINANCEIRAS LÍQUIDAS

Despesas Financeiras
(-) Receitas Financeiras
(+) RECEITAS DIVERSAS
XXX

XXX
XXX
XXX
XXX
XXX
XXX

XXX

XXX
XXX
XXX
LUCRO OPERACIONAL
XXX
RESULTADO NÃO OPERACIONAL

(-) Despesas Não Operacionais
(-) Receitas Não Operacionais
XXX

XXX
XXX

LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL
XXX
(-) Provisão para o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica
(-) Provisão para a Contribuição Social
XXX
XXX
LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO
XXX

As microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional n ão registram as provisões para o imposto de renda e contribuição social sobre o lucro líquido, pois estes tributos compõem o valor do Simples Nacional, classificado como Deduções da Receita Bruta.

As microempresas e empresas de pequeno porte podem, opcionalmente, elaborar as Demonstrações Contábeis abaixo, bem como preparar Notas Explicativas, a saber:

I. Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados;
II. Demonstração dos Fluxos de Caixa.

Mesmo sem estarem obrigadas, recomenda-se a elaboração de todas as demonstrações e notas explicativas visando ao atendimento das necessidades de controle de informações no que se refere aos aspectos fiscais e gerenciais e para análise da situação financeira e econômica da empresa.


7.4 Plano de Contas Simplificado para Empresas com Atividades Mistas

7.4.1 Elenco de Contas
   

1

ATIVO

1.1

ATIVO CIRCULANTE

1.1.1

DISPONÍVEL

1.1.1.1

CAIXA

1.1.1.1.01

Caixa Geral

1.1.1.2

BANCOS CONTA MOVIMENTO

1.1.1.2.01

Banco A

1.1.1.3

APLICAÇÕES FINANCEIRAS

1.1.1.3.01

Banco A

1.1.2

CONTAS A RECEBER

1.1.2.1

CLIENTES

1.1.2.1.01

Cliente A

1.1.2.2

(-) DUPLICATAS DESCONTADAS

1.1.2.2.01 Banco A

1.1.2.9

OUTRAS CONTAS A RECEBER

1.1.2.9.01

Conta A

1.1.3

ESTOQUES

1.1.3.1

MERCADORIAS PARA REVENDA

1.1.3.1.01

Estoque Inicial

1.1.3.1.02

Compras

1.1.3.1.03

Fretes e Carretos

1.1.3.1.04

ICMS – Substituição Tributária

1.1.3.1.05

ICMS – Antecipado

1.1.3.1.10

 (-) Devoluções de Compras

1.1.3.1.11

 (-) ICMS sobre Compras

1.1.3.1.12

 (-) COFINS sobre Compras

1.1.3.1.13

 (-) PIS sobre Compras

1.1.3.1.19

 (-) Custo das Mercadorias Vendidas

1.1.3.2

PRODUTOS ACABADOS

1.1.3.2.01

Estoque Inicial

1.1.3.2.02

Produção

1.1.3.2.09

 (-) Custo dos Produtos Vendidos

1.1.3.3 MATÉRIAS-PRIMAS

1.1.3.3.01

Estoque Inicial

1.1.3.3.02

Compras

1.1.3.3.03

Fretes e Carretos

1.1.3.3.04

ICMS – Substituição Tributária

1.1.3.3.05

ICMS – Antecipado

1.1.3.3.10

 (-) Devoluções de Compras

1.1.3.3.11

 (-) ICMS sobre Compras

1.1.3.3.12

 (-) COFINS sobre Compras

1.1.3.3.13

 (-) PIS sobre Compras

1.1.3.3.19

 (-) Transferência para Consumo

1.1.3.4

MATERIAIS DE EMBALAGEM

1.1.3.4.01

Estoque Inicial

1.1.3.4.02

Compras

1.1.3.4.03

Fretes e Carretos

1.1.3.4.04

ICMS – Substituição Tributária

1.1.3.4.05

ICMS – Antecipado

1.1.3.4.10

 (-) Devoluções de Compras

1.1.3.4.11

 (-) ICMS sobre Compras

1.1.3.4.12

 (-) COFINS sobre Compras

1.1.3.4.13

 (-) PIS sobre Compras

1.1.3.4.19

 (-) Transferência para Consumo

1.1.3.9

MATERIAIS DE CONSUMO

1.1.3.9.01

Estoque Inicial

1.1.3.9.02

Compras

1.1.3.9.03

Fretes e Carretos

1.1.3.9.04

ICMS – Antecipado

1.1.3.9.10

 (-) Devoluções de Compras

1.1.3.9.19

 (-) Transferência para Consumo

1.1.4 OUTROS CRÉDITOS
1.1.4.1

IMPOSTOS A RECUPERAR

1.1.4.1.01

IPI

1.1.4.1.02

ICMS

1.1.4.1.03

ICMS Antecipado

1.1.4.1.04

COFINS

1.1.4.1.05

PIS

1.1.4.1.06

IRPJ

1.1.4.1.07

CSLL

1.1.4.1.08

IRF

1.1.4.1.09

ISSF

1.1.9

DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE

1.1.9.1

DESPESAS ANTECIPADAS

1.1.9.1.01

Seguros a Apropriar

1.1.9.1.02

Encargos a Apropriar

1.1.9.1.03

IPTU a Apropriar

1.2 ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO

1.2.1

APLICAÇÕES FINANCEIRAS DE LONGO PRAZO

1.2.1.1 APLICAÇÕES FINANCEIRAS

1.2.1.1.01

Banco A

1.2.2

CONTAS A RECEBER

1.2.2.1

CLIENTES

1.2.2.1.01

Cliente A

1.3

ATIVO PERMANENTE

1.3.1

INVESTIMENTOS

1.3.1.1

PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS

1.3.1.1.01

Consórcio Simples A

1.3.1.1.02

Cooperativa de Crédito A

1.3.2

IMOBILIZADO

1.3.2.1

BENS EM OPERAÇÃO

1.3.2.1.01

Terrenos

1.3.2.1.02

Construções e Benfeitorias

1.3.2.1.03

Máquinas, Aparelhos e Equipamentos

1.3.2.1.04

Ferramentas

1.3.2.1.05

Matrizes

1.3.2.1.06

Móveis & Utensílios

1.3.2.1.07

Equipamentos de Informática

1.3.2.1.08

Instalações Comerciais

1.3.2.1.09

Veículos e Acessórios

1.3.2.9

(-) DEPRECIAÇÕES ACUMULADAS

1.3.2.9.01 Construções e Benfeitorias

1.3.2.9.02

Máquinas, Aparelhos e Equipamentos

1.3.2.9.03

Ferramentas

1.3.2.9.04

Matrizes

1.3.2.9.05

Móveis & Utensílios

1.3.2.9.06

Equipamentos de Informática

1.3.2.9.07

Instalações Comerciais

1.3.2.9.08

Veículos e Acessórios

1.3.3

INTANGÍVEL

1.3.3.1

BENS INCORPÓREOS

1.3.3.1.01

Marcas e Patentes

1.3.3.1.02

Sistemas Aplicativos (softwares)

1.3.3.9

(-) AMORTIZAÇÕES ACUMULADAS

1.3.3.9.01

Marcas e Patentes

1.3.3.9.02

Sistemas Aplicativos (softwares)

1.3.4

DIFERIDO

1.3.4.1

GASTOS PRÉ-OPERACIONAIS

1.3.4.1.01

Gastos de Organização e Administração

1.3.4.1.02

Projetos e Desenvolvimento de Novos Produtos

1.3.4.9

(-) AMORTIZAÇÕES ACUMULADAS

1.3.4.9.01

Gastos de Organização e Administração

1.3.4.9.02

Projetos e Desenvolvimento de Novos Produtos

   

2

PASSIVO

2.1

CIRCULANTE

2.1.1

CONTAS A PAGAR

2.1.1.1

SALÁRIOS A PAGAR

2.1.1.1.01

Salários

2.1.1.1.02

Férias a Pagar

2.1.1.1.03

13º Salário a Pagar

2.1.1.2

OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS

2.1.1.2.01

INSS a Recolher

2.1.1.2.02

FGTS a Recolher

2.1.1.2.03

Contribuição Sindical a Recolher

2.1.1.3

OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS

2.1.1.3.01

Simples Nacional a Recolher

2.1.1.3.02

IPI a Recolher

2.1.1.3.03

ICMS a Recolher

2.1.1.3.04

COFINS a Recolher

2.1.1.3.05

PIS a Recolher

2.1.1.3.06

IRPJ a Recolher

2.1.1.3.07

CSLL a Recolher

2.1.1.3.08

ISS a Recolher

2.1.1.3.09

IRF a Recolher

2.1.1.3.10

ISSF a Recolher

2.1.1.3.11

ICMS Substituição Tributária a Recolher

2.1.1.4

FORNECEDORES

2.1.1.4.01

Fornecedor A

2.1.1.5

EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS

2.1.1.5.01

Banco A

2.1.1.6

(-) ENCARGOS FINANCEIROS A TRANSCORRER

2.1.1.6.01

Juros Passivos

2.1.1.9

OUTRAS CONTAS A PAGAR

2.1.1.9.01

Aluguéis a Pagar

2.1.1.9.02

Energia Elétrica a Pagar

2.1.1.9.03

Telefone a Pagar

2.1.1.9.04

Água e Esgotos a Pagar

2.1.1.9.05

Pró-labore a Pagar

2.2

EXIGÍVEL A LONGO PRAZO

2.2.1

CONTAS A PAGAR

2.2.1.1

FINANCIAMENTOS BANCÁRIOS

2.2.1.1.01

Banco A

2.3

RESULTADOS DE EXERCÍCIOS FUTUROS

2.3.1

RESULTADOS DIFERIDOS

2.3.1.1

RECEITAS DIFERIDAS

2.3.1.1.01

Receitas de Obras em Andamento

2.3.1.2

(-) CUSTOS DIFERIDOS

2.3.1.2.01

Custos de Obras em Andamento

2.3.1.3

(-) DESPESAS DIFERIDAS

2.3.1.3.01

Despesas de Obras em Andamento

2.4

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

2.4.1

CAPITAL SOCIAL REALIZADO

2.4.1.1

CAPITAL SOCIAL SUBSCRITO

2.4.1.1.01

Capital Nacional

2.4.1.2

(-) CAPITAL SOCIAL A REALIZAR

2.4.1.2.01

Sócio A

2.4.2

RESERVAS

2.4.2.1

RESERVAS DE CAPITAL

2.4.2.1.01

Reserva de Incentivos Fiscais

2.4.2.2

AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL

2.4.2.2.01

Variações de Elementos Ativos

2.4.2.2.02

Variações de Elementos Passivos

2.4.2.3

RESERVAS DE LUCROS

2.4.2.3.01

Retenções de Lucros

2.4.2.3.02

Lucros a Realizar

2.4.3

QUOTAS EM TESOURARIA

2.4.3.1

QUOTAS EM TESOURARIA

2.4.3.1.01

Quotas de Capital Realizado

2.4.4

LUCROS OU PREJUIZOS ACUMULADOS

2.4.4.1

LUCROS OU PREJUIZOS ACUMULADOS

2.4.4.1.01

Lucros Acumulados

2.4.4.1.02

Prejuízos Acumulados

   

3

CUSTOS

3.1

CUSTOS DE PRODUÇÃO

3.1.1

CUSTOS INDUSTRIAIS

3.1.1.1

INSUMOS

3.1.1.1.01

Matérias-primas

3.1.1.1.02

Materiais de embalagem

3.1.1.2

MÃO-DE-OBRA DIRETA

3.1.1.2.01

Salários

3.1.1.2.02

Encargos Sociais

3.1.1.2.03

Vale Transporte

3.1.1.2.04

Refeições

3.1.1.2.05

Uniformes

3.1.1.2.06

Assistência Médica

3.1.1.3

OUTROS CUSTOS DIRETOS

3.1.1.3.01

Materiais de consumo

3.1.1.9

CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO

3.1.1.9.01

Salários

3.1.1.9.02

Encargos Sociais

3.1.1.9.03

Vale Transporte

3.1.1.9.04

Refeições

3.1.1.9.05

Uniformes

3.1.1.9.06

Assistência Médica

3.1.1.9.10

Energia elétrica

3.1.1.9.11

Manutenção

3.1.1.9.12

Aluguel de bens imóveis

3.1.1.9.13

Locação de bens móveis

3.1.1.9.14

Água e Esgoto

3.1.1.9.15

Materiais de consumo

3.1.1.9.90

Prêmios de Seguro

3.1.1.9.91

Depreciação e Amortização

3.1.2

CUSTOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

3.1.2.1

CONSUMO DE MATERIAIS

3.1.2.1.01

Materiais Aplicados

3.1.2.2

MÃO-DE-OBRA DIRETA

3.1.2.2.01

Salários

3.1.2.2.02

Encargos Sociais

3.1.2.2.03

Vale Transporte

3.1.2.2.04

Refeições

3.1.2.2.05

Uniformes

3.1.2.2.06

Assistência Médica

3.1.2.3

OUTROS CUSTOS DIRETOS

3.1.2.3.01

Materiais de consumo

3.1.2.9

CUSTOS INDIRETOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

3.1.2.9.01

Salários

3.1.2.9.02

Encargos Sociais

3.1.2.9.03

Vale Transporte

3.1.2.9.04

Refeições

3.1.2.9.05

Uniformes

3.1.2.9.06

Assistência Médica

3.1.2.9.10

Energia elétrica

3.1.2.9.11

Manutenção

3.1.2.9.12

Aluguel de bens imóveis

3.1.2.9.13

Locação de bens móveis

3.1.2.9.14

Água e Esgoto

3.1.2.9.15

Materiais de consumo

3.1.2.9.16

Ferramentas

3.1.2.9.90

Prêmios de Seguro

3.1.2.9.91

Depreciação e Amortização

   

4

PRODUÇÃO

4.1

PRODUÇÂO

4.1.1

PRODUÇÂO

4.1.1.1

PRODUÇÂO

4.1.1.1.01

De Bens

4.1.1.1.02

De Serviços

   

5

DESPESAS

5.1

DESPESAS DIVERSAS

5.1.1

DESPESAS OPERACIONAIS

5.1.1.1

CUSTO DAS VENDAS

5.1.1.1.01

Custo das Mercadorias Vendidas

5.1.1.1.02

Custo dos Produtos Vendidos

5.1.1.1.03

Custo dos Serviços Prestados

5.1.1.2

DESPESAS COM PESSOAL

5.1.1.2.01

Salários

5.1.1.2.02

Encargos Sociais

5.1.1.2.03

Vale Transporte

5.1.1.2.04

Refeições

5.1.1.2.05

Uniformes

5.1.1.2.06

Assistência Médica

5.1.1.3

DESPESAS ADMINISTRATIVAS

5.1.1.3.01

Pró-labore

5.1.1.3.02

Aluguel de Imóveis

5.1.1.3.03

Locação de Bens

5.1.1.3.04

Energia Elétrica

5.1.1.3.05

Telefone e Internet

5.1.1.3.06

Água e Esgoto

5.1.1.3.07

Tarifas Bancárias

5.1.1.3.08

Material de Consumo

5.1.1.3.09

Material de Expediente

5.1.1.3.10

Correios

5.1.1.4

DESPESAS DE COMERCIALIZAÇÃO

5.1.1.4.01

Fretes e Carretos

5.1.1.4.02

Comissões e Corretagens

5.1.1.4.03

Despesas de Viagens e Estadas

5.1.1.5

DESPESAS TRIBUTÁRIAS

5.1.1.5.01

IPTU

5.1.1.5.02

IPVA

5.1.1.5.03

IOF

5.1.1.5.04

Multas Fiscais

5.1.1.5.05

COFINS s/Outras Receitas

5.1.1.5.06

PIS s/Outras Receitas

5.1.1.5.07

IRPJ s/Aplicações Financeiras

5.1.1.5.08

Impostos e Taxas Diversas

5.1.1.6

DESPESAS FINANCEIRAS

5.1.1.6.01

Juros Passivos

5.1.1.6.02

Juros de Mora

5.1.1.6.03

Descontos Concedidos

5.1.1.6.04

Variações Monetárias Passivas

5.1.1.6.05

Variações Cambiais Passivas

5.1.1.7

DEPRECIAÇÃO E AMORTIZAÇÃO

5.1.1.7.01

Depreciação

5.1.1.7.02

Amortização

5.1.1.8

PERDAS DIVERSAS

5.1.1.8.01

Perdas por Insolvência

5.1.2

DESPESAS NÃO OPERACIONAIS

5.1.2.1

DESPESAS DIVERSAS

5.1.2.1.01

Multas de Trânsito

5.1.2.1.02

Multas Fiscais

5.1.2.1.03

Gastos com Festividades

   

6

RECEITAS

6.1

RECEITAS DIVERSAS

6.1.1

RECEITAS OPERACIONAIS

6.1.1.1

RECEITA BRUTA DE VENDAS

6.1.1.1.01

Vendas de Mercadorias

6.1.1.1.02

Vendas de Mercadorias com Substituição Tributária

6.1.1.1.03

Vendas de Mercadorias para o Exterior

6.1.1.1.10

Vendas de Produtos de Fabricação Própria

6.1.1.1.11

Vendas de Produtos de Fabricação Própria com Substituição Tributária

6.1.1.1.12

Vendas de Produtos de Fabricação Própria para o Exterior

6.1.1.1.20

Vendas de Serviços Prestados

6.1.1.1.21

Vendas de Serviços Prestados com Substituição Tributária

6.1.1.1.22

Vendas de Serviços Prestados para o Exterior

6.1.1.2

(-) DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA

6.1.1.2.01

Simples Nacional

6.1.1.2.02

ISS Substituição Tributária

6.1.1.2.03

ICMS

6.1.1.2.04

ISS

6.1.1.2.05

COFINS

6.1.1.2.06

PIS

6.1.1.2.09

Devoluções de Vendas

6.1.1.3

RECEITAS FINANCEIRAS

6.1.1.3.01

Juros Ativos

6.1.1.3.02

Rendimentos de Aplicações Financeiras

6.1.1.4

RECEITAS DIVERSAS

6.1.1.4.01

Recuperação de Despesas

6.1.2

RECEITAS NÃO OPERACIONAIS

6.1.2.1

RECEITAS DIVERSAS

6.1.2.1.01

Ganhos de Capital

6.1.2.1.02

Outras Receitas

   

7

CONTAS DE APURAÇÃO

7.1

CONTAS DIVERSAS

7.1.1

BALANÇO

7.1.1.1

BALANÇO DE ABERTURA

7.1.1.1.01

Ativo

7.1.1.1.02

(-) Passivo

7.1.1.2

BALANÇO DE ENCERRAMENTO

7.1.1.2.01

Ativo

7.1.1.2.01

(-) Passivo

7.1.2

RESULTADO

7.1.2.1

RESULTADO DO EXERCÍCIO

7.1.2.1.01

Resultado Final de Exercício


7.5 Função e Funcionamento das principais contas

1.1.1.1 CAIXA

Função
Registrar a movimentação de dinheiro, cheques e outros documentos compensáveis em poder da empresa.

Funcionamento
Debita-se pelo recebimento (entrada).
Credita-se pelo pagamento (saída).
Saldo devedor.

1.1.1.2 BANCOS CONTA MOVIMENTO

Função
Registrar a movimentação de dinheiro da empresa em poder de estabelecimentos bancários, mantido em conta de disponibilidades.

Funcionamento
Debita-se pelos depósitos bancários, resgates de aplicações financeiras e recebimentos de crédito na empresa, por via bancária, de qualquer origem.
Credita-se pela emissão de cheques, transferência de valores para aplicação financeira e débitos na conta bancária.
Saldo devedor.

Nota: Caso a empresa possua cheque especial liberado na própria conta corrente, o saldo da conta pode tornar-se credor, pois essa operação constitui uma forma de empréstimo. Por isso o saldo credor deve ser transferido para conta do passivo circulante, por ocasião do encerramento do período.

1.1.1.3 APLICAÇÕES FINANCEIRAS

Função
Registrar os valores aplicados em instituições financeiras, tais como: certificados de depósitos bancários, fundos de investimentos, etc.

Funcionamento
Debita-se pela transferência de valores para aplicação financeira e pelos rendimentos gerados no período.
Credita-se pelo resgate ou liquidação da aplicação financeira e pelos impostos incidentes quando do resgate.
Saldo devedor.

1.1.2.1 CLIENTES

Função
Registrar os valores a receber de clientes decorrentes das vendas a prazo de mercadorias, produtos e serviços.

Funcionamento
Debita-se pela emissão da fatura contra o cliente e pelos juros decorrentes de eventuais atrasos de pagamento.
Credita-se pelo recebimento total ou parcial do título, pela anulação da venda (devolução), pelos descontos concedidos por qualquer motivo e pela baixa como incobrável.
Saldo devedor.

1.1.2.2 (-) DUPLICATAS DESCONTADAS

Função
Registrar a movimentação de duplicatas emitidas contra clientes e descontadas em instituições financeiras.

Funcionamento
Debita-se pela baixa do título pago pelo cliente junto à instituição financeira que efetuou o desconto.
Credita-se pelo valor principal da operação de desconto, em contrapartida com o crédito feito na conta corrente da empresa.
Saldo credor.

1.1.2.9 OUTRAS CONTAS A RECEBER

Função
Registrar a movimentação de outros créditos da empresa junto a terceiros não oriundos de operações de vendas a prazo.

Funcionamento
Debita-se pela aquisição do direito da empresa junto ao devedor.
Credita-se pelo resgate ou amortização do débito.
Saldo devedor.

1.1.3.1 MERCADORIAS PARA REVENDA

Função
Registrar a movimentação no estoque de mercadorias adquiridas para revenda.

Funcionamento
Debita-se pelas compras efetuadas, inclusive pelos valores acessórios tais como fretes, carretos, seguros e impostos antecipados.
Credita-se pelo valor dos créditos fiscais permitidos pela legislação pertinente e pela baixa decorrente da transferência para despesa como custo das mercadorias vendidas.
Saldo devedor.

1.1.3.2 PRODUTOS ACABADOS

Função
Registrar a movimentação no estoque de produtos fabricados pela empresa industrial.

Funcionamento
Debita-se pela entrada de produtos provenientes do setor fabril da empresa, acompanhado por documento de controle interno.
Credita-se pela baixa decorrente da transferência para despesa como custo dos produtos vendidos.
Saldo devedor.

1.1.3.3 MATÉRIAS-PRIMAS

Função
Registrar a movimentação de matérias-primas adquiridas para utilização no processo industrial.

Funcionamento
Debita-se pelas compras efetuadas, inclusive pelos valores acessórios tais como fretes, carretos, seguros e impostos antecipados.
Credita-se pelo valor dos créditos fiscais permitidos pela legislação pertinente e pela baixa decorrente da transferência para consumo no processo industrial.
Saldo devedor.

1.1.3.4 MATERIAIS DE EMBALAGEM

Função
Registrar a movimentação de materiais de acondicionamento e embalagem adquiridos para utilização no processo industrial.

Funcionamento
Debita-se pelas compras efetuadas, inclusive pelos valores acessórios tais como fretes, carretos, seguros e impostos antecipados.
Credita-se pelo valor dos créditos fiscais permitidos pela legislação pertinente e pela baixa decorrente da transferência para consumo no processo industrial.
Saldo devedor.

1.1.3.9 MATERIAIS DE CONSUMO


Função
Registrar a movimentação de materiais de consumo adquiridos para utilização no processo industrial. Refere-se aos demais materiais consumidos no processo industrial que não integram fisicamente os produtos fabricados, tais como: materiais de limpeza, de manutenção, de reposição, pequenas ferramentas que não compõem o imobilizado.

Funcionamento
Debita-se pelas compras efetuadas, inclusive pelos valores acessórios tais como fretes, carretos e seguros e impostos antecipados.
Credita-se pela baixa decorrente da transferência para consumo no processo industrial.
Saldo devedor.

1.1.4.1 IMPOSTOS A RECUPERAR

Função
Registrar e controlar os impostos a serem recuperados ou compensados em períodos subseqüentes.

Funcionamento
Debita-se pela exclusão do valor do bem adquirido (estoque ou imobilizado), com base na escrituração fiscal, ou pela retenção efetuada por terceiros.
Credita-se por ocasião da recuperação ou compensação em contrapartida com a conta que registra o tributo a recolher.
Saldo devedor.

1.1.9.1 DESPESAS ANTECIPADAS

Função
Registrar as aplicações de recursos em despesas cujos benefícios ou prestação de serviços se farão durante o próprio exercício e o seguinte, tais como: prêmios de seguro, assinaturas e anuidades, aluguéis pagos antecipadamente, etc.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento ou ocorrência da despesa.
Credita-se pela apropriação mensal.
Saldo devedor.

1.2 ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO

As contas do Ativo Realizável a Longo Prazo têm as mesmas Funções, Funcionamento e Saldos das suas congêneres do Circulante.

1.3.1.1 PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS

Função
Registrar os investimentos permanentes em outras empresas.

Nota: a Lei Geral veda a caracterização como microempresa ou empresa de pequeno porte de empresa que participa do capital de outras empresas, mas exclui da vedação as participações em cooperativas de crédito, centrais de compras, bolsas de subcontratação, consórcios simples ou associações assemelhadas.

Funcionamento
Debita-se pela aquisição ou subscrição da participação societária em consórcio simples, centrais de compras ou cooperativa de crédito.
Credita-se pela baixa decorrente de venda da participação.
Saldo devedor.

1.3.2.1 BENS EM OPERAÇÃO

Função
Registrar e controlar as imobilizações permanentes em terrenos, construções e benfeitorias, máquinas, aparelhos e equipamentos, ferramentas, matrizes, móveis e utensílios, equipamentos de informática, instalações comerciais, veículos, etc.

Funcionamento
Debita-se a conta específica deste item sempre que ocorrer a aquisição dos bens, pelo valor total dispendido que inclui frete, carreto, seguro, impostos não recuperáveis.
Credita-se sempre que houver alienação ou baixa, bem como pelos créditos tributários permitidos pela legislação pertinente em contrapartida com a conta 1.1.4.1 IMPOSTOS A RECUPERAR no Ativo Circulante ou no Ativo Realizável a Longo Prazo.
Saldo devedor.

1.3.2.9 DEPRECIAÇÕES ACUMULADAS


Função
Registrar e controlar as depreciações decorrentes do desgaste dos bens pelo uso e pela ação do tempo e a desvalorização pela obsolescência.

Funcionamento
Debita-se pela alienação e baixa de bens imobilizados correspondentes.
Credita-se pelo valor da quota de depreciação ou amortização em contrapartida com custo ou despesa.
Saldo credor.

1.3.3.1 BENS INCORPÓREOS

Função
Registrar e controlar os bens incorpóreos de natureza permanente, inclusive o fundo de comércio.

Debita-se a conta específica deste item sempre que ocorrer a aquisição de bens.
Credita-se pela alienação e baixa.
Saldo devedor.

1.3.3.9 AMORTIZAÇÕES ACUMULADAS

Função
Registrar e controlar as amortizações dos recursos aplicados em ativo intangível.

Funcionamento
Debita-se pela alienação e baixa de bens intangíveis correspondentes.
Credita-se pelo valor da quota de amortização em contrapartida com custo ou despesa.
Saldo credor.

1.3.4.1 GASTOS PRÉ-OPERACIONAIS


Função
Registrar e controlar as aplicações de recursos em despesas que contribuirão para a formação do resultado de mais de um exercício social.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento e ocorrência da despesa.
Credita-se pela baixa por qualquer motivo.
Saldo devedor.

1.3.4.9 AMORTIZAÇÕES ACUMULADAS

Função
Registrar e controlar as amortizações dos recursos diferidos.

Funcionamento
Debita-se pela alienação e baixa de bens intangíveis correspondentes.
Credita-se pelo valor da quota de amortização em contrapartida com custo ou despesa.
Saldo credor.

2.1.1.1 SALÁRIOS A PAGAR

Função
Registrar os valores a pagar aos empregados relativos aos salários e os descontos que ocorram na folha de pagamento.

Funcionamento
Debita-se pelos descontos e pelos pagamentos de adiantamento e saldo líquido final.
Credita-se pelos salários.
Saldo credor.

2.1.1.2 OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS

Função
Registrar e controlar as obrigações da empresa decorrentes da legislação trabalhista em relação à previdência social, ao fundo de garantia por tempo de serviço e aos sindicatos de trabalhadores.

Funcionamento
Debita-se pela liquidação da obrigação.
Credita-se pelo provisão das obrigações e pelos descontos feitos na folha de pagamento, recibos de férias e termos de rescisão-de-contrato de trabalho.
Saldo credor.

2.1.1.3 OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS

Função
Registrar e controlar as obrigações decorrentes dos tributos devidos ou retidos pela empresa.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento de tributos.
Credita-se pelo provisão e retenção dos tributos.
Saldo credor.

2.1.1.4 FORNECEDORES

Função
Registrar e controlar as obrigações com os fornecedores decorrentes das aquisições de bens e serviços.

Funcionamento
Debita-se pelas amortizações e liquidação das obrigações.
Credita-se pela contratação da obrigação.
Saldo credor.

2.1.1.5 EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS

Função
Registrar e controlar as obrigações com instituições financeiras decorrentes da obtenção de empréstimos e financiamentos.

Funcionamento
Debita-se pelas amortizações e liquidação das obrigações.
Credita-se pelo recebimento ou disponibilidade do crédito e pela provisão dos encargos financeiros.
Saldo credor.

2.1.1.6 (-) ENCARGOS FINANCEIROS A TRANSCORRER

Função
Registrar e controlar o saldo de encargos financeiros pagos antecipadamente a instituições financeiras relativos a empréstimos e financiamentos.

Funcionamento
Debita-se pelos valores pagos.
Credita-se pela apropriação registrada em conta de despesa financeira.
Saldo devedor.

2.1.1.9 OUTRAS CONTAS A PAGAR

Função
Registrar e controlar outras obrigações junto a pessoas ou empresas decorrentes das aquisições de bens, serviços e outras finalidades.

Funcionamento
Debita-se pelas amortizações e liquidação das obrigações.
Credita-se pela contratação da obrigação.
Saldo credor.

2.2 PASSIVO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO

As contas do Passivo Exigível a Longo Prazo têm as mesmas Funções, Funcionamento e Saldos das suas congêneres do Circulante.

2.3 RESULTADOS DE EXERCÍCIOS FUTUROS

Função
Registrar as receitas, os custos e as despesas de exercícios futuros, em decorrência do regime de competência.

Funcionamento

2.3.1.1 RECEITAS DIFERIDAS
Debita-se pela amortização, em contrapartida com as receitas efetivas.
Credita-se pelo recebimento e ocorrência da receita de exercícios futuros.
Saldo credor.

2.3.1.2 CUSTOS DIFERIDOS

Debita-se pelo pagamento e ocorrência do custo de exercícios futuros.
Credita-se pela amortização, em contrapartida com o custo efetivo.
Saldo devedor.

2.3.1.3 DESPESAS DIFERIDAS

Debita-se pelo pagamento e ocorrência do custo de exercícios futuros.
Credita-se pela amortização, em contrapartida com a despesa efetiva.
Saldo devedor.

2.4.1.1 CAPITAL SOCIAL SUBSCRITO


Função
Registrar as subscrições de capital.

Funcionamento
Debita-se pela redução de capital em virtude de restituição ou compensação de prejuízos.
Credita-se pelas subscrições do capital inicial e dos aumentos posteriores.
Saldo credor.

2.4.1.2 CAPITAL SOCIAL A REALIZAR

Função
Registrar as subscrições e integralizações de capital.

Funcionamento
Debita-se pelas subscrições.
Credita-se pelas integralizações.
Saldo devedor.

2.4.2.1 RESERVAS DE CAPITAL

Função
Registrar as contrapartidas dos valores recebidos pela empresa e que não transitam pelo Resultado como Receita, por se referirem a valores destinados a reforço de seu capital.

Funcionamento
Debita-se pela incorporação da reserva ao Capital Social, compensação de prejuízos ou ajustes efetuados.
Credita-se pela constituição da reserva.
Saldo credor.

2.4.2.2 AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL

Função
Registrar as contrapartidas de aumentos e diminuição de valor atribuído a elementos do ativo (§5º do art. 177, inciso I do caput do art. 183 e §3º do art. 226 da Lei nº 11.638/07) e do passivo, em decorrência de sua avaliação a preço de mercado.

Funcionamento
Debita-se pelo ajuste e pela transferência para o Resultado do Exercício.
Credita-se pelo ajuste e pela transferência para o Resultado do Exercício.
Saldo devedor ou credor, dependendo dos somatórios dos ajustes feitos a débito e a crédito.

2.4.2.3 RESERVAS DE LUCROS

Função
Registrar as apropriações de lucros da empresa, qualquer que seja a finalidade: reserva legal, reservas estatutárias, reservas para contingências, reservas de lucros a realizar, etc.

Funcionamento
Debita-se pela utilização da reserva para incorporação ao Capital Social, reversão da reserva, compensação de prejuízos e distribuição aos sócios.
Credita-se pela constituição da reserva.
Saldo credor.

2.4.3.1 QUOTAS EM TESOURARIA

Função
Registrar as aquisições de quotas de capital de sócios pela empresa.

Funcionamento
Debita-se pela aquisição da quota.
Credita-se pela alienação a outro sócio e redução do Capital Social.
Saldo devedor.

2.4.4.1 LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS


Função
Registrar o valor dos prejuízos acumulados para compensação com lucros de períodos subseqüentes, com outras reservas ou redução do Capital Social.

Funcionamento
Debita-se pelos prejuízos verificados em contrapartida com o Resultado do Exercício.
Credita-se pela compensação com o Resultado, Reserva ou Capital Social.
Saldo devedor.

Nota: A Lei nº 11.638/07 determina que os lucros verificados em cada exercício sejam destinados para distribuição aos sócios, formação de reservas ou aumento de capital. No entanto, o saldo existente em 31.12.2007 pode permanecer nesta conta enquanto não for destinado. Portanto, transitoriamente, esta conta pode apresentar saldo credor.

CUSTOS INDUSTRIAIS

3.1.1.1 INSUMOS

Função
Registrar, em conta específica, o consumo de matérias-primas e materiais de embalagem.

Funcionamento
Debita-se pela requisição de materiais ao almoxarifado da empresa.
Credita-se pela transferência do saldo para apuração do custo industrial.
Saldo devedor.

3.1.1.2 MÃO-DE-OBRA DIRETA

Função
Registrar, em conta específica, o valor de salários, encargos e benefícios sociais relativos aos empregados lotados no setor fabril da empresa.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento e provisão dos salários e encargos sociais.
Credita-se pela transferência do saldo para apuração do custo industrial.
Saldo devedor.

3.1.1.3 OUTROS CUSTOS DIRETOS

Função
Registrar, em conta específica, o consumo de outros custos diretamente identificados com os produtos fabricados pela empresa.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento e ocorrência do custo.
Credita-se pela transferência do saldo para apuração do custo industrial.
Saldo devedor.

3.1.1.9 CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO

Função
Registrar, em conta específica, os custos comuns à fabricação de vários produtos, sem possibilidade de sua identificação com um produto individualmente.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento e ocorrência do custo.
Credita-se pela transferência do saldo para apuração do custo industrial.
Saldo devedor.

CUSTOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

3.1.2.1 CONSUMO DE MATERIAIS


Função
Registrar, em conta específica, o consumo de materiais aplicados na prestação de serviços que constitua objeto da empresa.

Funcionamento
Debita-se pela requisição de materiais ao almoxarifado da empresa.
Credita-se pela transferência do saldo para apuração do custo da prestação de serviços.
Saldo devedor.

3.1.2.2 MÃO-DE-OBRA DIRETA

Função
Registrar, em conta específica, o valor de salários, encargos e benefícios sociais relativos aos empregados lotados no setor de prestação de serviços.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento e provisão dos salários e encargos sociais.
Credita-se pela transferência do saldo para apuração do custo da prestação de serviços.
Saldo devedor.

3.1.2.3 OUTROS CUSTOS DIRETOS


Função
Registrar, em conta específica, o consumo de outros custos diretamente identificados com os serviços prestados pela empresa.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento e ocorrência do custo.
Credita-se pela transferência do saldo para apuração do custo da prestação de serviços.
Saldo devedor.

3.1.2.9 CUSTOS INDIRETOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Função
Registrar, em conta específica, os custos comuns à prestação de vários serviços, sem possibilidade de sua identificação com um serviço individualmente.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento e ocorrência do custo.
Credita-se pela transferência do saldo para apuração do custo da prestação de serviços.
Saldo devedor.

PRODUÇÃO

4.1.1.1 PRODUÇÃO

Função
Apurar e transferir o custo dos produtos fabricados e dos serviços prestados.

Funcionamento
Debita-se pela apuração do custo, em contrapartida com as contas de custos.
Credita-se pela transferência dos produtos e serviços para estoque.
Não deve apresentar saldo, podendo transitoriamente registrar saldo credor.

DESPESAS

5.1.1.1 CUSTO DAS VENDAS

Função
Registrar o custo das mercadorias vendidas, dos produtos fabricados e dos serviços prestados pela empresa.

Funcionamento
Debita-se pelo custo inventariado das mercadorias, produtos e serviços ou mediante a utilização da fórmula: Estoque Inicial + Compras (ou Produção) – Estoque Final.
Credita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Saldo devedor.

5.1.1.2 DESPESAS COM PESSOAL

Função
Registrar, em conta específica, as despesas com salários, encargos e benefícios sociais.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento e ocorrência da despesa.
Credita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Saldo devedor.

5.1.1.3 DESPESAS ADMINISTRATIVAS

Função
Registrar, em conta específica, as despesas com a estrutura administrativa da empresa.

Debita-se
pelo pagamento e ocorrência da despesa.
Credita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Saldo devedor.

5.1.1.4 DESPESAS DE COMERCIALIZAÇÃO

Função
Registrar, em conta específica, as despesas com a atividade comercial da empresa.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento e ocorrência da despesa.
Credita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Saldo devedor.

5.1.1.5 DESPESAS TRIBUTÁRIAS

Função
Registrar, em conta específica, as despesas com impostos, taxas e contribuições não incluídos nas Deduções da Receita Bruta e não constitua imposto sobre a renda.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento e provisão do tributo.
Credita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Saldo devedor.

5.1.1.6 DESPESAS FINANCEIRAS

Função
Registrar, em conta específica, as despesas com encargos financeiros relativos a empréstimos obtidos e juros moratórios.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento e provisão do encargo.
Credita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Saldo devedor.

5.1.1.7 DEPRECIAÇÃO E AMORTIZAÇÃO

Função
Registrar, em conta específica, as quotas mensais de depreciação e amortização.

Funcionamento
Debita-se pelo registro mensal da quota.
Credita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Saldo devedor.

5.1.1.8 PERDAS DIVERSAS

Função
Registrar, em conta específica, eventuais perdas operacionais, inclusive a provisão para devedores duvidosos.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento, provisão e ocorrência da despesa.
Credita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Saldo devedor.

DESPESAS NÃO OPERACIONAIS

5.1.2.1 DESPESAS DIVERSAS

Função
Registrar, em conta específica, as despesas que não fazem parte dos negócios da empresa.

Funcionamento
Debita-se pelo pagamento e ocorrência da despesa.
Credita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Saldo devedor.

RECEITAS

6.1.1.1 RECEITA BRUTA DE VENDAS

Função
Registrar, em conta específica, as receitas de vendas de mercadorias, produtos e serviços prestados, destacando as receitas de vendas de mercadorias, produtos e serviços sujeitos ao regime de substituição tributária, as vendas para o exterior e as vendas de operações normais.

Funcionamento
Debita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Credita-se pela ocorrência da receita, com base nos documentos fiscais emitidos pela empresa.
Saldo credor.

6.1.1.2 DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA

Função
Registrar, em conta específica, os impostos e contribuições calculados sobre o valor da receita bruta, tais como: SIMPLES NACIONAL, ISS Substituição Tributária, ICMS, ISS, PIS e COFINS, bem como o valor das devoluções de vendas, cancelamento de serviços prestados e os abatimentos concedidos incondicionalmente.

Funcionamento
Debita-se pelo provisionamento dos impostos e contribuições ao final de cada mês.
Credita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Saldo devedor.

6.1.1.3 RECEITAS FINANCEIRAS

Função
Registrar, em conta específica, as receitas de juros cobrados dos clientes em eventuais atrasos de pagamentos de títulos e os rendimentos de aplicações financeiras.

Funcionamento
Debita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Credita-se pela ocorrência e provisionamento da receita.
Saldo credor.

6.1.1.4 RECEITAS DIVERSAS

Função
Registrar, em conta específica, outras receitas operacionais não classificadas nos títulos anteriores, por exemplo: receita com recuperação de custos ou despesas.

Funcionamento
Debita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Credita-se pela ocorrência da receita.
Saldo credor.

RECEITAS NÃO OPERACIONAIS

6.1.2.1 RECEITAS DIVERSAS

Função
Registrar, em conta específica, as receitas não operacionais, por exemplo: Resultado na Alienação de Imobilizado.

Funcionamento
Debita-se pela apuração do Resultado do Exercício.
Credita-se pela ocorrência da receita.
Saldo credor.

CONTAS DE APURAÇÃO

7.1.1.1 BALANÇO DE ABERTURA

Função
Registrar a contrapartida de todas as contas, por ocasião do início de cada exercício.

Funcionamento
Debita-se pela contrapartida das contas com saldo credor.
Credita-se pela contrapartida das contas com saldo devedor.
Não deve registrar saldo, pois a soma dos valores lançados a débito é igual à soma dos valores lançados a crédito.

7.1.1.2 BALANÇO DE ENCERRAMENTO

Função
Registrar a contrapartida de todas as contas, por ocasião do encerramento de cada exercício.

Funcionamento
Debita-se pela contrapartida das contas com saldo credor.
Credita-se pela contrapartida das contas com saldo devedor.
Não deve registrar saldo, pois a soma dos valores lançados a débito é igual à soma dos valores lançados a crédito.

7.1.2.1 RESULTADO DO EXERCÍCIO

Função
Receber as receitas e as despesas do período que está sendo encerrado, para a apuração do resultado; registrar a contrapartida da provisão para o imposto de renda e contribuição social, se for o caso; e destinar o resultado líquido apurado.

Funcionamento
Debita-se pelas despesas, em contrapartida destas; pela provisão para o imposto de renda e contribuição social sobre o lucro líquido, se for o caso, em contrapartida destas; e, pela destinação do resultado para reservas, lucros a distribuir ou compensação de prejuízos acumulados.
Credita-se pelas receitas, em contrapartida destas e pela transferência para prejuízos acumulados, se ocorrer.
Não deve registrar saldo, pois apura e destina o resultado na mesma data.